Conheça as dificuldades mais comuns no mercado de entregas e veja como a MaisEntregas pode te ajudar!

Tecnologia e gestão para empresas que operam entregas rápidas

Conheça as dificuldades mais comuns no mercado de entregas e veja como a MaisEntregas pode te ajudar!

Nós, da MaisEntregas.com, conhecemos bem o mercado e sabemos das dores que as empresas que realizam entregas possuem. Isso leva a um cenário de ineficiência, baixa produtividade e resultados financeiros ruins. Atendemos mais de 100 clientes, em mais de 30 cidades, em quase todos os estados do Brasil. Esse conhecimento nos levou identificar grandes desafios que eles têm no dia a dia e que podem ser resolvidos com mais gestão e eficiência, com a tecnologia. Isso é notado quando observamos nitidamente alguns fatos:

  • Grande Volume de pessoas na ÁREA ADMINISTRATIVA

Esse cenário ainda é bastante comum nas empresas de entregas e transportes em geral. Vemos um número grande de pessoas fazendo e recebendo ligações, respondendo e-mails e consumidos pelo whatsapp para cuidar das operações. Sem falar quando estão imersos em documentos para gerar faturamentos, controles operacionais manuais ou registros de funcionários.

Esses colaboradores acreditam que estão sendo super produtivos ao fazerem mil coisas ao mesmo tempo e não param um segundo nem para respirar ou ir no banheiro, pois a “correria” não deixa. Qualquer minuto para pensar em algo novo e diferente é considerado perda de tempo e o receio de terminar o turno sem conseguir concluir as demandas assombra a todos.

Detalhe que são, geralmente, atividades repetitivas, braçais, monótonas, que não instigam a criatividade, muito menos mudanças. Como chamamos popularmente, os famosos “trabalhos de português” ou também podemos verificar que o incêndio que estão apagando todos os dias nunca termina – a fogueira continua ardendo em chamas, dia após dia e nada muda. Mas todos estão sempre muito ocupados e sem tempo para ver as novidade que o mercado está trazendo e que os clientes estão buscando;

  • Tempo ocioso na ÁREA OPERACIONAL

Na linha de frente, onde está o maior investimento das empresas, é muito comum ver os entregadores e suas motos paradas nos estacionamentos, esperando pelas entregas. Esperas nos locais de coleta e entrega, por demoras dos clientes, que não estão sendo devidamente informados e alertados sobre o status da operação e/ou localização do entregador, geram perdas de tempo aos motoristas, que poderiam estar produzindo mais nesses períodos de ociosidade.

Outro momento que acontece com frequência são entregadores saindo para realizar as entregas – afinal tem gente pagando para coletar ou receber aquele produto transportado – mas retornando para as bases com os baús vazios, para esperar e receber as próximas corridas. Só que nessa volta vazia não tem ninguém pagando para transportar aquele oxigênio.

Contudo, os custos de combustível, óleo, peças, pneus e, principalmente, o tempo do entregador, continuam existindo e são praticamente os mesmos de quando o entregador está pilotando com o baú cheio. Aqui, novamente, reforçamos: tempo é dinheiro e espera é igual a desperdício de tempo e, logo, de dinheiro. E o principal, alguém paga por essa conta, nesse caso os donos das empresas de entregas e também os entregadores.

  • Ineficácia na ÁREA COMERCIAL

Aqui é onde mais os empresários perdem atualmente. Vemos que muitas empresas de entregas ainda não estão atuando no mercado online e quando estão, ainda de forma muito incipiente e pouco efetiva.

Ainda costumam fazer seus trabalhos de venda exclusivamente por telefone, e-mails e visitas presenciais, que podem ser alternativas interessantes em alguns casos, mas ainda representam investidas custosas em termos de tempo e recursos e que tem um nível de escala baixo, pois é muito difícil um vendedor fazer mais de 5 reuniões por dia, por exemplo.

Além disso, o processo de fechamento da negociação pode demorar muito tempo, exigir muitas visitas, tornando o custo de aquisição de clientes muito alto. Esse processo comercial ainda fica muito concentrado nas mãos dos donos que são quem possui maior capacidade de vender o produto e quem detém os principais relacionamentos no mercado.

Só que o dono, além de vender, tem que cuidar de todas as outras área da empresa e aí, pela falta de tempo, termina não dando a devida atenção às atividades comerciais, acarretando em falta de crescimento adequado no faturamento da empresa ou em perda de oportunidades comerciais.

Além disso, a falta de tempo impede que novos produtos ou serviços sejam explorados, mantendo a empresa com os mesmos serviços de sempre, vendendo aquele tradicional feijão com arroz, deixando de inovar e se diferenciar no mercado.

Quando a empresa de entregas passa a ter um negócio online, abre espaço para também divulgar o negócio e vender os serviços pela internet, onde o custo dos investimentos pode ser muito mais baixo, com um potencial de atingir muito mais clientes e conseguir fechar negócios de forma muito mais rápida e barata.

  • A base da ÁREA DE MARKETING

Na ÁREA DE MARKETING percebemos que as empresas de entregas tem muita dificuldade em mostrar seus serviços e diferenciais de forma adequada, ainda utilizando muitas formas antiquadas, como panfletos, cartões de visita em papel, outdoors, campanhas em rádio etc.

Seus sites também são pouco intuitivos, atrativos e não despertam muito interesse dos clientes em se aprofundar; geralmente não funcionam como uma loja virtual, onde os clientes podem, de forma simples e rápida fazer um pedido, ver um orçamento e ali mesmo ter sua necessidade atendida.

Normalmente, se encontra um número de telefone, e-mail ou formulário de contato para o cliente tomar alguma ação e aguardar retorno, o que não condiz com a agilidade que o mercado atual busca, onde as pessoas querem resolver tudo na mesma hora, sem perder tempo, muito menos esperar algum retorno, que ele não sabe nem quando vai ser.

  • A engrenagem na ÁREA DE PESSOAS

Na ÁREA DE PESSOAS, que envolve tanto equipe administrativa, quanto operacional, geralmente não vemos programas motivacionais, de reconhecimento por um nível de produtividade acima do normal, programas de remuneração variável ou premiações baseados em números e meritocracia ou qualquer iniciativa que use números e fatos concretos para uma gestão mais apurada e precisa, para estimular performances mais altas, que se traduzam em melhores resultados para o negócio.

Muitas vezes, isso acontece pela falta de informações precisas, devido ao uso excessivo de papéis e controles manuais, que dificultam a organização e tratamento dos dados de forma inteligente.

Nesse contexto, a equipe não tem estímulos para fazer trabalhos diferenciados e encantar os clientes, pois sabem que não serão reconhecidos e terminam sendo tratados de forma igual, levando os melhores a se nivelarem por baixo, devido à falta de reconhecimento, por falta de gestão, que fica limitada por falta de informações, gerando um movimento em cascata.

 


Gustavo Barbosa

CEO e Fundador da MaisEntregas.com Ex Consultor de Supply Chain Management na Accenture, no Grupo Columbia e na SmartFlows Consultoria, com mais de 20 anos de experiência no mercado de Gestão, Logística e Transportes